Desde sempre que penso em criar um negócio, no entanto não é algo para realizar a curto prazo. É um projeto que deve ser maturado ao longo do tempo e avaliar se, de facto, tem possibilidades de ter sucesso ou não. Porém, o objetivo deste artigo não é abordar os meus objetivos. Esses, contá-los-hei noutra altura. Agora, vamos às dicas que um bom empreendedor deve seguir. Fique a conhecê-las.

1. ter boas ideias:

provavelmente é a dica mais importante que pode seguir para montar um negócio. Eu, por exemplo, tenho imensas ideias. No entanto, não é a altura indicada para as implementar. Não só a nível financeiro, mas também a nível pessoal e profissional, já que me encontro noutra fase da vida. Por isso, o ideal é ir apontando num bloco todas as ideias, mesmo que sejam muito pequenas. Assim como nomes de produtos, slogans, preços, entre outras.

2. juntar dinheiro para investir e para imprevistos:

se já tem a ideia para o seu negócio, então muitos parabéns. Mas isso não é tudo. Também precisa de ter o dinheiro para investir. Faça contas à vida e saiba a quantia de que precisa. Porém, opte por juntar um dinheiro extra para imprevistos. Os negócios têm sempre custos extra que não estamos à espera. Quando mal pensamos, já estamos a pagar algo que não tínhamos planeado.

Este artigo não vai abordar os negócios de uma forma profissional, tal como se faz nos jornais especializados. Ainda assim, irei tentar escrever sobre as empresas e negócios que me inspiram. Interessa-me bastante a estrutura e a forma como funcionam alguns negócios e empresas. Sendo que é neste sentido que se pode verificar, ou não, o sucesso do negócio. Resolvi escrever algumas dicas que considero essenciais e que tenho sempre em mente para quando tiver a possibilidade de meter em marcha os meus objetivos no campo dos negócios. Apesar de ser algo que pode não vir a acontecer, espero que estes assuntos interesse tanto ao leitor como a mim. Leia tudo até ao fim.

3. separar despesas e negociar preços:

uma das dicas que a maioria dos empresários não segue é separar as contas. É muito importante separar as contas pessoais das profissionais, só assim se conseguirá criar independência financeira. Não serve de nada pagar a conta da água da habitação pessoal através do cartão de crédito da empresa. Por outro lado, também é crucial encontrar os melhores preços dos serviços que irá associar à sua empresa. Habitualmente, os fornecedores de serviços já têm pacotes especiais para empresas. Ainda assim, nunca é demais tentar negociar um valor mais em conta.

4. equipas pequenas alcançam grandes objetivos:

uma das vantagens de pequenas empresas é que também têm equipas pequenas, normalmente nunca superior a dez colaboradores. Este facto faz com que exista mais comunicação entre as pessoas e, consequentemente, um melhor trabalho desenvolvido. Ora, se não há necessidade de ligar para departamentos a pedir isto ou aquilo, pelo que os colegas estão sentados logo na cadeira ao lado, então o produto final sairá com muitos menos erros. Esta é uma enorme vantagem em relação às grandes empresas.

5. criar vários produtos ou marcas dentro da mesma empresa:

algo que é rentável para as empresas é criar vários produtos ou marcas dentro da mesma empresa. É o que acontece com as editoras ou empresas de média. Por exemplo, o grupo Cofina Media S.A. tem no seu portefólio de marcas publicações como o Correio da Manhã, a revista Sábado, a TV Guia, a CMTV, entre outras. Deste modo, é possível utilizar uma estrutura base que é comum a todas as marcas. Outro exemplo é o grupo Sonae, que através da sua maior marca - o Continente - consegue suportar outros serviços, como é o caso da Wells, da Kasa, da SportZone, entre outras.

6. manter a equipa satisfeita, de modo a continuar criativa:

o sucesso é muito bom. Mas é preciso manter a equipa satisfeita para que se continue a verificar um produto bem sucedido. Por isso, é preciso investir em bonificações para os colaboradores. Tais como viagens, tablets, seguros de saúde, ginásios ou até planos de preservação de fertilidade para que os colaboradores sintam que a empresa se preocupa com o futuro deles, já que até então haviam dedicado todo o seu tempo ao negócio. Posto isto, o colaborador continuará a desenvolver o trabalho da melhor forma possível e que dê à empresa cada vez mais resultados.

Imagens: Pixabay e DR