Plástico. Quanto mais tempo será necessário para que os supermercados adotem novas medidas?

É uma realidade à qual não se pode fugir e que tem trazido cada vez mais mazelas ao planeta que habitamos. Estima-se que em poucos anos a quantidade de plástico será maior do que os peixes que existirão no mar. É com grande pena minha que descubro esta informação. E, por isso, a escrevo aqui. Também eu me tenho adaptado e, com 22 anos de idade, já posso dizer que adotei alguns hábitos para utilizar o menos plástico possível.

Um dos principais setores a utilizar o plástico é o do retalho. Os supermercados são as principais superfícies a promover a utilização do plástico. Atualmente, os cidadãos investem a maioria do seu salário na alimentação e, consequentemente, nos produtos que compram nas grandes superfícies. Superfícies essas que não adotam medidas para utilizar menos sacos de plástico ou embalagens.

O Continente, por exemplo, já possibilitou o uso de sacos de papel aos cleintes. Dentro de pouco tempo, talvez se consiga retirar por completo os sacos. Os sacos de plástico também passaram a custar 0,10€ em todas as superfícies comerciais, no entanto as pessoas continuam a preferir comprar o saco do que a levar um (de pano) de casa.

Por outro lado, supermercados como o Pingo Doce (considerado um dos mais económicos e preferido por tantos portugueses) é um dos mais poluentes, que embala quase todos os seus legumes e verduras. É possível, inclusive, ver-se bananas embaladas. Muitos produtos não necessitam de ser embalados. E depois, o Pingo Doce ainda se dá ao luxo de ir para o programa de Cristina Ferreira, na SIC, fazer publicidade enganosa. Ora que entra a nutricionista Iara Rodrigues, em direto, com uma caixa de madeira cheia de produtos para confecionar naquele dia e refere que aquela é uma ótima opção ao plástico, quando o Pingo Doce nem sequer promove essa ideia nos seus estabelecimentos.

Dicas para usar menos plástico

Caro leitor, dou-lhe três dicas que já cumpro na minha vida, apesar de haver muitas mais. 1) levar um saco de pano para carregar as compras do supermercado, com o qual ando sempre e que é essencial para transportar os meus bens; 2) não utilizar os famosos sacos de plástico para colocar a fruta, legumes ou verdura; 3) preferir comprar produtos a vulso, em vez dos embalados.

Dica extra: o vidro também é um poluente, mas prefira usar uma garrafa de vidro e vá enchendo com água. Em vez de comprar várias garrafas de plástico.

A posição da União Europeia quanto à utilização de plástico

Foi há cerca de um mês que a União Europeia tomou a sua posição no que diz respeito à utilização de produtos de plástico, que são descartáveis. Muitas vezes, estes produtos são utilizados uma única vez, cumprindo a sua função.

A UE chegou a um acordo para a futura proibição, a partir de 2021, de alguns plásticos de utilização única como cotonetes, palhinhas e talheres de plástico, com o objetivo de reduzir a poluição marítima. A poluição dos mares tem causado a extinção de algumas espécies, pelo que se acredita que em 2050 exista mais plástico nos mares do que peixes, se nada for feito até lá.

Lei só entra em vigor a partir de 2021

A lei que foi aprovada, com o objetivo de reduzir a utilização do plástico nos países da UE, só entra em vigor no ano de 2021. Agora, terá de ser retificada pelos Estados-membros e pelo Parlamento Europeu.

Tem de existir uma redução até ao ano de 2025

O principal objetivo é reduzir caixas para hambúrgueres, sanduíches e saladas, bem como recipientes para frutos, legumes, sobremesas ou gelados. Até 2025, os Estados-membros têm de atingir uma redução de, pelo menos, 25%.

Avatar

Licenciado em Artes e Humanidades pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Mestrando em Jornalismo na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa. Espera um dia ser jornalista/apresentador na televisão nacional.